sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Review "Inner Core (Stark, #2)" - Sigal Ehrlich

My rating: 3 of 5 stars

Aqui, eu achei que a história deixou um pouquinho a desejar na primeira metade do livro. Senti falta de assunto, de foco, de emoção.

A Hayley me irritou bastante em muitas partes da narrativa, achei até que ela estava mais psycho que o Daniel.

Eu esperava bem mais do livro, coloquei nele muitas expectativas e só senti que elas foram respondidas mais pro final do livro.


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Review "Layers (Stark, #1)" - Sigal Ehrlich

My rating: 4 of 5 stars

Então... eu realmente gostei do livro.

Eu tenho plena consciência de que, em teoria, eu normalmente não ficaria muito impressionada com esse livro, pois ele não tem nada muito original e a história é previsível em torno de um mocinho que é rico e CEO (meio clichê).

Mas eu gostei do livro. Acho que o fato de que ultimamente eu só tenho tido o azar de ler livros chatos contribuiu enormemente para esse livro me agradar, pois ele conseguiu prender a minha atenção.

Mais uma vez eu direi: o livro é super previsível. Poucas coisas te pegam desprevenida. Mas a autora soube lidar muito bem com o fator previsibilidade. Ela te dava os meios de descobrir o que iria acontecer, colocando a pulga atrás da sua orelha, e você já fica aguardando se o que você pensou vai acontecer, e como vai acontecer, e como os personagens vão reagir. Enfim, a expectativa de aguardar e depois experienciar o desenvolvimento dos acontecimentos foi muito legal e empolgante.

Também gostei muito dos personagens. Achei todos muito bem construídos e cativantes e eu fiquei super apegada a eles.

Sobre a história:

Hayley precisa de um emprego e ela vai tentar a sorte em uma empresa que ela não faz a menor ideia do que se trata.

E lá, Hayley conhece Daniel quando os dois estão supostamente em um lugar proibido a procura de café: A cozinha do CEO, o dono da empresa Stark.

Hayley, com seu temperamento sagaz e sincero, de cara mete o pau no comportamento esnobe de Stark, uma vez que ele não é capaz de se misturar com seus empregados para tomar um simples café.

Daniel fica fascinado com Hayley simplesmente por ela ser ela mesma e não tentar impressionar sendo algo que ela não é.

Imagine a surpresa dela quando ela descobre que Daniel é na verdade o CEO Stark.

Pois então, foi bem engraçado, previsível, mas engraçado do mesmo jeito. Aos poucos a obsessão de Daniel por Hayley e a atração que Hayley sente por Daniel farão com que os dois sejam inseparáveis. E é super fofo ver como eles se gostam e trocam gestos de afeto o tempo todo. Um relacionamento realmente verdadeiro e real.

Mas alguns desentendimentos podem atrapalhar a relação dos pombinhos e Daniel terá que se esforçar em dobro para estar ao lado de Hayley quando ela mais precisar dele.

A autora quis criar um mocinho com pinta de psycho, mas no fundo o Daniel é um fofo com uma dose de insanidade. Já Hayley é uma mocinha que tem muitas conversas com sua consciência e também tem um pé grande na realidade, do tipo que se sente surpresa com certas insinuações e atos autoritários do mocinho psycho e fará questão de colocar Daniel em seu lugar.

Gostei!

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Review "Sweet Addiction (Sweet Addiction, #1)" - Jessica Daniels

My rating: 1 of 5 stars

Esse livro foi um desastre.

Começou bobinho, depois ficou irritante, depois foi para extremamente irritante, e terminou comigo com dor de cabeça.

Eu ainda não consigo acreditar que ele está no round final da votação do goodreads em melhores livros de estréia. É algo que eu não compreendo. Para mim, Fade In e Full Measures foram livros que mereciam estar e adivinhem, não estão na final. Opinião realmente é algo que não se discute. Só se aceita e respeita.

Enfim, voltando para o livro.

Eu tive uma dificuldade ENORME em entender a lógica da Dylan, a mocinha.
O livro já começa testando a minha capacidade de raciocínio e eu lamento em dizer que eu acho que fui reprovada.

Então, ela trabalha fazendo bolos de casamento, festas de aniversário, e outros eventos e tem uma lojinha onde ela vende as suas guloseimas. E por algum motivo ela aceitou fazer o bolo de casamento da festa do ex namorado dela de um relacionamento de dois anos que terminou, pois ele a traiu. Eu não sei quem é mais louco, ela por aceitar essa proeza ou ele ter a coragem de comer esse bolo. E para piorar, ela ainda fica para festa. Tipo, COMASSIM???

Aff...

Nessa festa, Dylan conhece Reese. Por pura atração física os dois transam no banheiro e as coisas terminam mal. Reese fica sem saber o que fazer pós coito, e Dylan fica sabendo que ela acabou de transar com um cara casado.

Dylan resolve esquecer Reese, mas ele a manda um presente que a deixa revoltada, afinal, ele é casado e não deveria estar mostrando interesse por outra mulher além de sua esposa. Assim, ela resolve confrontar Reese e dá-lhe uma bofetada na cara.

E é assim que a relação deles funciona. Eles se pegam, não conversam sobre nada produtivo, há 1000 e um mal entendidos que são resolvidos antes com bofetadas e depois, sim, explicações. Todos os mal entendidos são coisas bestas que poderiam ter sido resolvidas com apenas uma conversa, mas Dylan é extremamente imatura e já parte para agressão física e tratamento de gelo.

Dylan é o tipo de personagem impossível de se apegar. Ela é muito infantil, imatura, não sabe dialogar, muuuuuuuuuuuuuuito insegura, com autoestima baixíssima e um dom mortal de tirar conclusões negativas de tudo o que acontece.

Quando ela e Reese dialogavam, os assuntos eram em torno de: com quantas mulheres Reese já transou, se ele gostava de fazer sexo oral nelas, se ele dava apelidos carinhosos para as outras mulheres, e várias outras perguntas corta tesão.

(E outra, Dylan disse várias vezes que queria que o relacionamento deles fosse somente sexo e casual. Que era só a sexo eu concordo, mas não tinha nada de casual. E no final quando ela queria um relacionamento sério, ela culpou Reese de querer só sexo, sendo que ele sempre foi o a favor do relacionamento sério entre eles. Logo, Dylan é completamente louca!!!)

Falando em corta tesão... eu tive um pouco de dificuldade lógica também em algumas cenas calientes entres esses dois personagens. Reese é gamado por cinta-liga com meia, assim, Dylan faz questão de usá-las. E quando eles estão no rala e rola, Reese simplesmente tira a calcinha de Dylan a deixando com a cinta liga e a meia, mas... Como?? Isso é algo totalmente ilógico, como você pode tirar a calcinha sem a cinta-liga??? E não, ele não abria a cinta-liga, ele simplesmente tirava a calcinha em 2 segundos. No meio de uma cena quente eu me via paralizada tentando entender a lógica dos atos e foi um corta tesão. E essa cena aconteceu mais de uma vez, ou seja, lógica realmente não está a favor desse livro.

Teve uma outra cena, em que Reese vai até a loja de Dylan e ela não abre a porta para ele. Ela o deixa do lado de fora a observando se masturbar pelo vidro. Desde esse episódio, Reese deveria ter se tocado e dado no pé. Os sinais de que Dylan não é muito estável estavam todos visíveis, mas ele que quis pagar para ver... Para piorar, depois de se masturbar a distância, ela abre a porta para ele e mete a mão em um glacê que ela estava fazendo. Eu realmente espero que ela não tenha usado esse glacê depois para nada que ela venda na sua loja!!!!

Esse livro também tem coincidências, do tipo, a amiga de Dylan namora Ian, que é amigo do Reese e eles tem um amigo que é gay, então obviamente ele começa a namorar o melhor amigo de Dylan que também é gay.

Aff... cansei de falar desse livro.

Para piorar o cenário todo, esse livro ainda tem continuação dessa miséria!!!! Imagina, mais um livro de mal entendidos... Tô fora!!!!!!!!

domingo, 23 de novembro de 2014

Review The Walk-In (Borrowed Billionaire #1) - Mimi Strong

My rating: 1 of 5 stars

Um dos PEEEEEEEORES livros que eu já tive a infelicidade de ler.

O tipo de livro que merece estrelas negativas.

Imagine que você contrate alguém para arrumar o seu closet, e essa pessoa vista uma roupa sua e ainda se masturbe do lado das suas roupas. E para piorar, depois de se masturbar e ter um orgasmo de sujar as mãos, essa pessoa ainda arrume as suas coisas com a mão suja!!!!! Sério, Lexie é doente!!!!!

Aaaargh, disgusting!!!

sábado, 22 de novembro de 2014

Review Avoiding Amy Jackson (Infamous #2) - N.A. Alcorn

My rating: 3 of 5 stars

Eu adorei o início do livro. Mais uma vez o humor singular da Amy e da Ellen me deixa feliz.

Também gostei muito do James, que é um fofo.

Achei a Amy muito teimosa, irritou bastante, mas no final deu tudo certo.

Que venha a história da Lizzy agora.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Review Tied (Tangled #4) - Emma Chase

My rating: 4 of 5 stars

Eu adorei o final feliz da Kate e do Drew. Você sabe que um livro é bom quando você está lendo, lendo e quando percebe a leitura já está no fim e você já está com saudade dos personagens.

Essa é a sensação. Emma Chase pode ficar feliz por ter conseguido fechar com chave de ouro a história desses pombinhos.

A princípio, eu estava super aflita de ler esse livro imaginando o que o Drew faria para, de novo, colocar tudo a perder com a Kate. Sinceramente, eu não estava com vontade de presenciar mais uma estupidez dele e nem saberia se eu apreciaria o livro se a história tomasse esse rumo.

Então imagine a minha surpresa quando eu percebo que já tinha passado da metade do livro e tudo estava incrível. E só foi ficando melhor.

Foi super gostoso ver como o Drew está mais maduro, colocando a Kate antes mesmo do seu próprio orgulho e ego ferido.

Agora o que foi delicioso de imaginar foi a cena de um Drew sem camisa segurando um James com soninho no colo. Uma das melhores cenas, sem dúvidas!!

Depois de ler esse livro fiquei com vontade de saber mais sobre todos os outros personagens que a autora soube criar tão bem. Quero saber mais da Erin, do Jack, da Mackenzie, até mesmo dos pais do Drew e aquela história que a mãe dele deu um bolo no futuro marido na hora do altar.

Que a Emma Chase escreva muitos outros livros!!!

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Review Sweet Filthy Boy (Wild Seasons #1) - Christina Lauren

My rating: 1 of 5 stars

Livro muito chato. Não consegui gostar de nenhum personagem. Achei que a trama propôs muitos assuntos e, no final, não soube executar nenhum deles apropriadamente. Tudo se resumia em sexo, sexo e sexo. Sem diálogos construtivos. Sem amizades marcantes. Sem resolução familiar decente. E nem o casal teve uma resolução concreta.

Então...
Mia acabou de se formar e foi comemorar com suas amigas em Las Vegas. Ela foi pra lá justamente para fugir de seus problemas que são: seu pai e sua carreira. Ela amava dançar e queria que isso fosse sua carreira, mas depois de um acidente que machucou sua perna, ela nunca mais pode seguir seus sonhos. (Sério? Sonho de dançar, acidente de carro, perna machucada, fim do sonho... Aff, nada novo...)

Assim, ela perdeu seu sonho e passou a seguir o sonho de seu pai, na carreia de negócios. Coisa que ela não gostava, mas acabou aceitando e resolvendo fazer sua vida em Boston, longe de sua família por causa de tantos ressentimentos.

Voltando para Vegas...
Ela e mais duas amigas estão lá para comemorar e no meio da curtição, os olhos de Mia se cruzam com os de um homem muito bonito. Encaradas e mais encaradas, fica só nisso.

Acontece que esse par de olhos pertence, na verdade, ao vizinho de quarto de Mia, no hotel, e ela acaba indo até o quarto dele para pedir que ele diminua o volume do som, que está atrapalhando o sono da donzela...

Ela descobre que o nome dele é Ansel e que ele é francês. De cara rola uma química absurda. (eu não senti. Achei o Ansel um bobo, do tipo universitário babaca, sendo que ele não é mais nenhum universitário e sim um marmanjo velho...) Eles conversam e fica nisso.

Na noite seguinte eles se reencontram, bebem, bebem e bebem. Na manhã seguinte, Mia descobre que eles fizeram sexo e se casaram...

E eles não anulam o casamento. Para fugir de seus problemas (seu pai e sua carreira), Mia aceita ir para a França com Ansel, até suas aulas voltarem.

E assim começa a vida de casados deles, que se resume a sexo.

E nessa equação toda do problema que eles criaram (Vegas, casamento, não anulação, França...) ainda há uma outra pessoa: Perry.

Eu não vou falar muito sobre esse tópico para evitar spoiler, mas é bem óbvio, desde o início, quem Perry é. Então, não há nenhuma surpresa nesse departamento. Apenas tédio diante de tanta baboseira.

Não gostei do Ansel. Não gostei da Mia. Não gostei da história. A surrealidade dos eventos não foi sanada com uma boa dose de diálogos inteligentes e personagens cativantes. Uma pena que eu perdi meu tempo lendo isso.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Review "The Walk-In #1" - Mimi Strong

The Walk-In (Borrowed Billionaire, #1)The Walk-In by Mimi Strong
My rating: 1 of 5 stars

Um dos PEEEEEEEORES livros que eu já tive a infelicidade de ler.

O tipo de livro que merece estrelas negativas.

Imagine que você contrate alguém para arrumar o seu closet, e essa pessoa vista uma roupa sua e ainda se masturbe do lado das suas roupas. E para piorar, depois de se masturbar e ter um orgasmo de sujar as mãos, essa pessoa ainda arrume as suas coisas com a mão suja!!!!! Sério, Lexie é doente!!!!!

Aaaargh, disgusting!!!

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Review "Addicted #2" - Tracy Wolf

Addicted (Ethan Frost, #2)Addicted by Tracy Wolff
My rating: 1 of 5 stars

Esse livro é bem esquizofrênico.

O livro todo gira em torno do estupro que Chloe sofreu ainda quando era adolescente e como ela e Ethan irão conseguir manter o relacionamento deles. E foi super chato de ler.

Uma hora eles juravam amor eterno, na hora seguinte Chloe jurava que nunca mais queria saber dele. Uma hora eles estavam juntos e tudo parecia perfeito, na outra a perfeição não passa de uma ilusão. Aff... muito "agora tô quente, agora tô frio" pra mim.

Sem contar que a autora fez a maior confusão com referências do outro livro. No outro livro, Ethan foi super paciente e sempre fez questão de deixar bem claro para Chloe que ele era um cara paciente. E ele não só disse, ele agiu e provou que era paciente. Nesse livro ele é descrito como um cara impaciente. ¬¬

Outra confusão, todo mundo sabe que Chloe sofreu no passado e é meio "danificada" psicologicamente, mas ela fazia questão de dizer para Ethan que ela não era danificada e ele fazia questão de responder que ele sabia, mas tinha medo dela achar o oposto. E nesse livro ela se descreve como uma pessoa danificada e ainda afirma que disse isso para ele desde o primeiro encontro deles. Então fica nessa coisa, no mínimo, esquizofrênica e perde completamente a graça, pois se nem a autora, que escreveu o próprio livro, sabe dos detalhes da sua narrativa, qual interesse eu teria em saber??

Até agora me perguntou o que a levou a escrever uma história tão sem noção. A verdade é que uma história sem noção tem que ser, no mínimo, muito bem escrita e muito bem contada. Aqui, eu não vi nada disso. Eu não gostei do início, nem do meio e nem do fim do livro. Não recomendo a série.


segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Review "Ruined #1" - Tracy Wolf

Ruined (Ethan Frost, #1)Ruined by Tracy Wolff
My rating: 2 of 5 stars

Livro com um pé grande no cenário novelesco mexicano.

Eu queria ter gostado mais do livro. O início é cativante, te prende, você quer saber como o relacionamento do Ethan e da Chloe vai se desenrolar, mas, aos poucos, a narrativa vai ficando besta e você vai perdendo o interesse. A autora ainda acrescenta alguns detalhes estranhos e desnecessários ao longo do livro que te faz revirar os olhos e querer terminar logo a leitura.

Achei muitas coisas estranhos, como por exemplo: Chloe sofreu um episódio traumático quando tinha 15 anos (que é bem previsível), e por conta disso, ela afasta todos os homens que mostram interesse por ela. Mas tudo muda quando Ethan entra em seu mundo. E isso foi muito estranho. Ela viveu com esse trauma durante 5 anos e em UMA SEMANA, por causa do Ethan, ela consegue superar as coisas. Ela consegue se abrir para ele, confiar nele, transar com ele... Eu queria que tivesse demorado mais para nascer essa confiança, para dar mais credibilidade aos acontecimentos... mas, enfim...

Algumas coisas que acontecem no livro são bem similares a coisas que eu já li em outros livros, então, nada foi uma grande surpresa no departamento originalidade. A única coisa que tende a ser mais original é o final do livro, que termina com cliffy. E é um cliffy SUPER PREVISÍVEL.

E a forma como as coisas terminam dá peninha da Chloe que, por conta do drama mexicano, tem um azar da peste.



domingo, 16 de novembro de 2014

Review "Rogue #4" - Katy Evans

Rogue (Real, #4)Rogue by Katy Evans
My rating: 2 of 5 stars

Livro do estilo passatempo. Nada especial, bem mulherzinha e bem besta também.

Gostei de alguns conflitos, de algumas cenas, tanto algumas quentes quanto algumas mais "dark" (com o Zero).

Não gostei da Melanie, achei ela uma grande e completa chata.

Gostei muito do Greyson. Achei ele ótimo, com certeza o melhor do livro.

Porém, eu não senti a menor conexão entre eles. Achei aí a maior falta da narrativa. Que a qualidade da escrita e a narrativa como um todo não seria nada demais, eu já esperava. Mas o elo que ligaria os dois personagens eu esperava encontrar no livro, até porque grande parte da graça de um livro de romance está aí: como nasce a conexão entre a mocinha e o mocinho. Ficou só num desejo carnal e quando você vê, eles já estão apaixonados. E mesmo assim, não acreditei no amor deles (só sendo um santo para amar a chatice da Melanie, e o Grey não é nenhum santo...).

Sobre o livro:

Melanie está cansada de ser a garota de uma noite só. Ela está a procura de seu príncipe, mas só encontra sapos. Até que ela conhece Greyson e ele a ajuda com seu carro.

Melanie não conhece Greyson e mesmo assim, por ele ser lindo e atraente, ela passa a noite com ele. Eles trocam números, ele diz que irá ligar e não liga. Portanto, ele é mais uma decepção para a coleção de Melanie.

Acontece que o que Melanie não sabe é que Greyson a conhece muito bem, já que o nome dela está em sua lista. Grey tem uma lista cheia de nomes e é o seu trabalho fazer com que todas essas pessoas que estão na lista paguem o que elas devem.

O que ele não esperava era ficar obcecado por Melanie e não conseguir se afastar dela. Assim, ele a pede uma nova chance e eles começam um relacionamento. Mas quando Melanie descobre sobre a real vida de Grey, mesmo o amando, ela tem dúvidas se será capaz de aceitar que seu par perfeito seja tão cheio de imperfeições.



sábado, 15 de novembro de 2014

Review "The Infamous Ellen James" - N. A. Alcorn

The Infamous Ellen James (Infamous, #1)The Infamous Ellen James by N.A. Alcorn
My rating: 3 of 5 stars

Gostei muito do humor do livro.

A autora conseguiu criar duas personagens, Ellen e Amy, que são ótimas de ler. As duas possuem um tipo de amizade bem única e o senso de humor delas é hilário.

Sem contar os vexames de cada uma que faz com que qualquer pessoa se sinta bem com suas histórias vergonhosas. rs

E o que dizer do Trent?
Um fofo, sem dúvidas!!! O tipo de cara que se você um dia tiver a sorte de conhecer, não o deixe, jamais, escapulir da sua cama.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Review "Crazy Good" - Rachel Robinson

Crazy GoodCrazy Good by Rachel Robinson
My rating: 1 of 5 stars

1.5

Que sofrimento que foi ler esse livro...Não recomendo.

Não consegui gostar de nenhum personagem!!!!

A mocinha é uma boba que está sempre com tesão e vive implorando sexo pro mocinho. E depois, ela se faz de besta e dá um perdido nele, porque ele é lindo e as mulheres estão sempre a procura de um pedaço dele, e ela fica insegura, achando que uma hora ele irá traí-la. Assim, ela prefere sumir do que enfrentar a relação deles. Sendo que quem quis a relação em primeiro lugar era ela, e ele só queria o sexo.

Os papéis se invertem. Ela queria um relacionamento e termina querendo sexo. Ele queria sexo e termina querendo o relacionamento (adiando o sexo). Vai entender...

Tá, ela não quer só o sexo, ela quer o relacionamento também. Mas ela não parece muito disposta a lutar por esse relacionamento, pois ela é muito boba, parecia uma aborrecente. Ela estava sempre preocupada do mocinho enjoar dela, a trair. E outra, ela parecia estar com ele só por aspectos físicos. O que eu não a culpo porque o mocinho não tem nada na cabeça.

O mocinho é um babaca. Em todos os sentidos. Em nenhum momento me simpatizei com ele.

Livro fraco, não me cativou, diálogos que deixam a desejar e personagens terríveis.


quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Review "The Ideal Man (Buchanan-Renard #9)"- Julie Garwood

The Ideal Man (Buchanan-Renard, #9)The Ideal Man by Julie Garwood
My rating: 2 of 5 stars

2.5

Esse é o meu primeiro livro da autora e fiquei bem decepcionada. Vi muita gente fã dos outros trabalhos da autora dizendo que esse livro não era o seu melhor livro e essas pessoas, pelo visto, estavam certas.

Eu não tenho ideia o motivo que me levou a começar a ler essa série por esse livro, foi algo aleatório. E, infelizmente, acabou sendo um livro que não me impressionou nem um pouco.

O livro não é terrível, não é nenhum fim de mundo e nem doí de ler. Mas... ele é meio sem vida. Eu senti falta de emoção, os personagens eram meio mortos, não tinha conexão nenhuma e o mistério era bem sem graça, porque ele não existia. É um livro de suspense, sem suspense...

Apesar disso tudo, é um livro correto. Tem início, meio e fim. Só não é emocionante.

A história gira em torno de Ellie, uma médica, que teve que "abandonar" sua família e sua cidade para se manter viva, uma vez que em sua cidade natal ela tem um stalker (que aliás, eu ainda não entendi como ele conseguiu se manter solto depois de tudo que fez... meio forçado da parte da autora).

Assim, com a ajuda de sua família, Ellie cria uma vida longe de seu passado. Porém, ela se vê novamente tendo sua vida em risco depois de presenciar um criminoso atirando em um agente do FBI. E é aí onde entra Max Daniels, que é também um agente do FBI e faz seu dever proteger Ellie. Não só por ela estar com sua vida em risco, por ser uma potencial testemunha visual, mas também porque ele não consegue parar de pensar nela.

Foi um livro com muitas informações. Ellie tem um stalker que quer matá-la. Ela se envolveu em uma cena de crime. Outras pessoas contratadas querem matá-la. Mesmo depois de não ter mais sentido matá-la, ainda querem matá-la. Seu stalker é preso depois de tentar matá-la pela enésima vez. Mesmo depois de preso, ele consegue escapulir e tenta matá-la, novamente!!! Teoricamente é um livro mais de ação do que suspense. Mesmo que seja uma ação que não é emocionante.

Enfim, livro insosso.


quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Review "Rock Chick #6"- Kristen Ashley

Rock Chick Reckoning (Rock Chick, #6)Rock Chick Reckoning by Kristen Ashley
My rating: 3 of 5 stars

3.5

Que o Mace era uma graça todo mundo já sabia, esse livro só comprova o quanto ele é incrível. Eu adorei que nesse livro nós temos uma mudança em relação aos outros, em que os mocinhos é que salvam as mocinhas.

Nesse livro, Mace salva Stella várias vezes, mas é Stella quem salva Mace de uma angústia sem fim. E foi super fofo ver isso, ter a na personagem da mocinha o caráter de força.

Fora a história central, focada nesses dois personagens, a autora também nos presenteou com várias cenas com os outros personagens, dos livros anteriores. Para mim, os melhores momentos, com esses personagens, foram as cenas da Jules com o Vance e o casamento da Indy com o Lee.

A autora também nos dá um epílogo que conta como a vida dos personagens está depois de anos. E eu não gostei dessa parte. Principalmente, não gostei do rumo da vida do Mace. Morar em La? Abandonar Nightingale Investigations?? Perder contato com a sua família de amigos de Denver?? Não gostei.

E nessa brincadeira, a autora também nos conta com quem que a Ally termina. Sei lá, eu achei o epílogo um pouco desnecessário para esse livro, pois não é o último da série. E isso fez com que esse livro ficasse com esse gosto amargo de fim, e um fim insatisfatório.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Review "Rock Chick #5" - Kristen Ashley

Rock Chick Revenge (Rock Chick, #5)Rock Chick Revenge by Kristen Ashley
My rating: 3 of 5 stars

3.5

Dei boas risadas, muitas vezes quis agredir fisicamente tanto a mocinha, Ava, quanto o mocinho, Luke.

Achei o livro bom, não decepciona a série, que aliás é o tipo de leitura que garante um bom divertimento.

Os personagens foram bem construídos, o fator humor e ação estão presentes e a autora não deixa nada a desejar quando se trata do fator alpha-male. Luke é uma graça, mesmo que ele tenha um mustache.

E falando em personagens alpha, nesse livro a autora nos apresenta a Lorenzo Zano, mais conhecido como Ren, e eu adorei ele. Fiquei super animada para ler mais sobre esse personagem nos livros seguintes.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Review "Picture Perfect #2"- Elisabeth Grace

Picture Perfect (Limelight, #2)Picture Perfect by Elisabeth Grace
My rating: 2 of 5 stars

Pra mim foi no máximo duas estrelas.

Dá pra ver o esforço da autora em querer criar um livro de entretenimento, mas estava faltando diálogos mais interessantes, personagens mais sólidos, menos previsibilidade... Eu senti que estava lendo o esboço de um livro e não o livro já desenvolvido, pronto para venda.

A premissa da história é aquele clichê universal: a mocinha conhece o mocinho em uma night, rola aquele climão sexual, mas nada além disso. Ela vai embora sem saber quem ele é, e ele não consegue parar de pensar na mulher misteriosa que conheceu na balada e o deixou com blue balls... Até que eles descobrem que ele é o novo chefe dela e ela é a nova assistente dele...

Pois é... pra querer desenvolver uma história com base nessa premissa mega batida já, o livro tem que compensar com uma escrita sensacional e personagens fenomenais, coisa que não aconteceu. Por isso, eu senti que estava faltando um pouco de tudo no contexto geral do livro.

Spoiler: [O que me fez perder ainda mais consideração pela história foi a parte em que a mocinha foi chantageada pelo ex e sucumbiu às exigências sem noção dele. Tipo... o que ela esperava? Tentar um relacionamento com um cara que ela não suportava e era agressivo? Dormir com ele? Beijar ele? Sair para jantar? Casar com ele? E isso tudo por causa de uma foto dela de topless?? Típica coisa surreal. Mais vale os seus peitos na internet do que tentar um relacionamento com um chantagista. De novo, muito surreal.

No geral, é um livro que eu não recomendo. Mas é aquela coisa, se você tivesse numa ilha deserta e só tivesse esse livro para ler, eu acho que poderia ser uma boa leitura para passar o tempo...

domingo, 9 de novembro de 2014

Review "Torch #1" - Cambria Hebert

Torch (Take It Off, #1)Torch by Cambria Hebert
My rating: 1 of 5 stars

1.5

Livro bem fraco. Parecia uma compilação de clichês, principalmente as falas dos personagens. Muitas vezes me vi revirando os olhos, doida para acabar a leitura.

A história deveria ter um mistério, que seria quem estaria tentando matar Katie. Mas a autora escolheu uma forma peculiar de desenvolver a narrativa: ela não deu dica nenhuma.

O livro já inicia com a primeira tentativa de assassinar Katie. Alias, deixe-me dizer que as cenas que eu mais gostei foram as de ação em que a vida de Katie estava em risco, pois elas eram emocionantes e bem boladas (menos a última cena, no quarto do hotel do advogado).

Katie sobrevive ao primeiro ato contra a sua vida graças ao bombeiro Holt. Katie não tem ninguém em sua vida, assim, Holt oferece ajuda. Ele a leva para a sua casa e vai crescendo um sentimento entre eles.

No desenvolver da trama, Katie tem sua vida em risco várias vezes e Holt sempre está lá para ajudá-la. E é isso. A autora não dá nenhuma dica do mistério e nem cria situações para complicar a cabeça do leitor, de cara já é óbvio que quem está por trás dos atentados contra Katie seria alguém relacionado ao passado dela, pois a autora nunca discorre sobre essa parte. E não dá outra.

Escrita bem amadora. Livro bem amador.

sábado, 8 de novembro de 2014

Review "Beauty and The Mustache #4" - Penny Reid

My rating: 3 of 5 stars

3.5

Penny Reid sabe como conduzir uma boa história. Ela consegue, de forma inteligente e divertida, guiar o leitor em uma ótima leitura com direito a muitas risadas, alguns apertos na garganta, frustrações, alívios, sorriso no rosto e a lista só segue.

Seus personagens são criados com muito cuidado e é uma delícia ver como eles se desenvolvem e só crescem durante a narrativa.

Nesse livro, não podia ser diferente. Você vai encontrar tudo isso.

Dessa vez temos a história de Ash e Drew.

Ash é uma fofa e conhecer sua família foi divertidíssimo. Drew, por outro lado, não é um personagem muito divertido, mas é o tipo de homem que tem uma alma antiga, que gosta de refletir e não está nessa terra para perder tempo com joguinhos e brincar com os sentimentos dos outros. Ele quer mais é cuidar das pessoas que ele se importa, dando conforto e muita atenção.

E ele será exatamente isso para Ash quando ela mais precisar. Ele será o seu conforto, seu porto seguro.

Review "More Than Forever #4" - Jay McLean

My rating: 3 of 5 stars

Então, todo mundo amou esse livro. Eu não.

Eu não curto muito histórias com dramas extra forçados... E, aqui, eu achei que teve um exagero de drama que não me tocou. Eu lia e só pensava "Aff, totalmente desnecessário".

A história começa contando sobre uma Lucy e Cam crianças, quando a mãe de Lucy ainda estava viva, mas morrendo. Foi super fofo ver como o Cam desde novinho tinha um coração do tamanho do universo, e foi bonitinho ver como nasceu o relacionamento dos dois.

Com o tempo, eles vão para a faculdade e tudo começa a desmoronar, principalmente, por causa de uma garota chamada Roxy. Cam nunca fez nada de errado, ele nunca traiu Lucy, mas ele sempre estava no lugar errado, na hora errada, na posição errada quando se tratava de Lucy e Roxy no mesmo ambiente.

Lucy vai se sentindo cada vez mais insegura com seu relacionamento, pois Cam nunca tem tempo, ele parece estar se divertindo mais com Roxy e apenas usando Lucy para sexo.

Chega um momento em que a gota d'água derrama e um relacionamento tão bonito vai pelos ares. E quando, finalmente, tudo começa a melhorar novamente, um drama MOR acontece.

Sua mãe morrer, você se sentir insegura com seu namoro, seu namorado ter uma amiga mulher, seu relacionamento não dar certo... Isso tudo pode acontecer. Agora o drama MOR do livro é aquele drama que pode acontecer, SIM, na vida real, mas é muito mais provável que aconteça em uma novela mexicana ou um filme dramalhão (e claro, livros dramalhões).

Uma coisa que me incomodou também foi o clima da narrativa. Em todos os outros livros, quando o Cam e a Lucy apareciam, eu sentia que a narrativa elevava com uma alegria gigante, mas no livro desses dois personagens tão vivos o clima era de morte. Pareciam personagens que já tinham desistido e estavam só esperando o forever acontecer...

Outra coisa que não melhorou em NADA no clima é que a Lucy estava SEMPRE chorando. E quando eu digo SEMPRE, eu realmente quero dizer SEMPRE!!! Nunca vi uma personagem que chorasse TANTO!!!!!

Geralmente, quando eu leio um livro da Jay McLean, eu é que tenho que ter um kleenex por perto. Nesse livro, a Lucy é que tinha que ter.

Eu também senti falta dos personagens dos outros livros. Eles só entram mesmo na história pro final, assim, não mostrou muito como a Lucy entrou naquele grupinho de amigos-família. Ficou uma coisa meio jogada que ela só entrou lá porque era a namorada do Cameron.

Quando o Logan entra na história, aí sim, eu senti uma vida na narrativa.

Apesar disso tudo, eu reconheço que no livro houve momentos valiosos de caráter humano, que tocam lá no fundo da alma. E por isso, não dou menos de três estrelas.

Que venha no próximo a Heidi e o Dylan (assim espero)!!

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Review "The Other Side of Someday" - Carey Heywood

The Other Side of Someday (Carolina Days, #1)The Other Side of Someday by Carey Heywood
My rating: 2 of 5 stars

2.5

O livro não é ruim. Mas é fraco.

A história começa com aquele clichê básico da mocinha tendo um dia péssimo e, por conta disso, mudando sua rotina, assim, ela chega mais cedo em casa e descobre seu noivo, de 8 anos de relacionamento, a traindo com uma conhecida.

Arrasada, ela termina o noivado e vai morar com a mãe. Sem emprego e sem noivo, ela sente que tem que começar tudo do zero. Mas o destino a leva até Clay.

Para falar sobre o mocinho, Clay, primeiramente, é necessário dizer que a sinopse do livro é péssima, pois não diz nada verídico sobre Clay. Aquela história de que ele não se vê apaixonado, pfft, ele se apaixona com a maior facilidade e aceita esse sentimento com mais facilidade ainda.

A trama do livro é meio enrolada porque não acontece nada demais, mas o interessante é ver como o relacionamento entre a Courtney e o Clay se desenvolve e tudo fica arco-íris. Isso é algo que acaba te cativando, apesar da trama ser fraca.

No geral é um livro com uma história bem light.



quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Review "Rock Chick #4" - Kristen Ashley

Rock Chick Renegade (Rock Chick, #4)Rock Chick Renegade by Kristen Ashley
My rating: 3 of 5 stars

3.75

Eu adorei a Jules. Uma das melhores heroínas dessa série. Engraçada, divertida, doida, guerreira, focada...

Eu estava louca para ler sobre a mocinha virgem em um Rock Chick e Jules não decepcionou. Ela plus Vance é o casal perfeito.

Adorei os dois juntos.

Eu já esperava que no final fosse acontecer algo GRANDE, mas, sinceramente, eu queria algo mais emocionante. Achei que a Jules merecia uma ação mais bem elaborada. Enfim...

Recomendo.



quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Review "Rock Chick #3" - Kristen Ashley

Rock Chick Redemption (Rock Chick, #3)Rock Chick Redemption by Kristen Ashley
My rating: 3 of 5 stars

A Roxie foi a heroína que eu menos gostei. Ela é a mais fraca, menininha, cabeça leve.

Hank foi um bom mocinho e tudo mais, mas esse ainda é o livro que menos me cativou.

Apesar disso tudo, foi um livro bom. Engraçadinho, com machos alphas, Tex, armas, sequestros...

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Review "Rock Chick #2" - Kristen Ashley

Rock Chick Rescue (Rock Chick, #2)Rock Chick Rescue by Kristen Ashley
My rating: 3 of 5 stars

3.5

Gostei. Estou adorando a série por enquanto.
Personagens sólidos, engraçados, diálogos hilários, situações inusitadas... e a lista só cresce.

Minha única crítica nesse livro é quanto ao final. Achei que as coisas foram meio corridas no final, deixando algumas coisas em aberto, mas fora isso, leitura divertida.



segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Review "Rock Chick #1" - Kristen Ashley

Rock Chick (Rock Chick, #1)Rock Chick by Kristen Ashley
My rating: 4 of 5 stars

Esse livro foi uma total surpresa para mim.

Eu acordei em um belo dia sentindo uma necessidade gigante de ler algum livro com um alpha-male.

Pensei na mesma hora na KA, apesar de que o único livro da autora que eu tinha lido, Dream Man #1, eu não tinha gostado. Eu reconheço que algumas cenas no Dream Man #1 eram muito boas e quentes, mas no contexto geral o livro foi muito louco e muitas coisas me incomodaram, principalmente o fato da mocinha ter um mojo fatal e ter uma mente bem fraquinha quanto a fidelidade. E o mocinho era um alpha do tipo "agora tá quente, agora tá frio". Além disso, a história toda era surreal de uma forma que não me divertiu muito.

Assim, quando eu peguei Rock Chick#1 para ler, já estava esperando o pior (tanto é que fiquei adiando a leitura desse livro um tempão). Mas que surpresa boa que foi.

Eu me diverti muito lendo. Adorei os personagens. E recomendo.

Sim, é um livro do tipo surreal, mas nesse os personagens são bem mais sólidos, os diálogos são bem divertidos e a surrealidade é hilária. Fora que o Alpha-Lee é um fofo.

Há muitas similaridades com alguns pontos do Dream Man#1. Por exemplo: a mocinha despertar o interesse de muitos homens, ela gostar de flertar com outros caras mesmo estando em um relacionamento etc... A questão principal, para mim, foi que, nesse livro, o nível dessas questões que eu citei tinha um peso diferente, era de uma forma engraçada e não com uma malícia cara-de-pau como em Dream Man#1.

Continuarei lendo a série.

domingo, 2 de novembro de 2014

Review "Stealing Home #1" - Jennifer Seasons

Stealing Home (Diamonds and Dugouts, #1)Stealing Home by Jennifer Seasons
My rating: 1 of 5 stars

Livro chatíssimo!!!

A narrativa inteira é arrastada pela péssima premissa do livro: a mocinha precisa desesperadamente de dinheiro para poder ajudar a salvar a vida de sua sobrinha e, para isso, ela aceita roubar o colar da sorte de Mark, um jogador de baseball.

Se ela conseguir o colar, a ex esposa de Mark lhe pagaria 100.000, o suficiente para a cirurgia de Michelle, a sobrinha.

Para conseguir o colar, Lorelei, a mocinha, seduz Mark num bar e ele acaba a levando para sua casa. Lá, Lorelei o droga e consegue roubar o colar.

Mark, ao perceber que seu colar da sorte foi roubado fica desesperado e consegue achar Lorelei, e ao achá-la, ele a ameaça: ou ele irá levá-la a polícia por ter o roubado e drogado, ou ela vai para a casa dele e fica sob sua vigilância até que ela devolva o colar.

Lorelei não está disposta a devolver o colar, pois ela precisa do dinheiro, mas ela também não quer parar na cadeia, assim, ela vai para a casa de Mark.

E o final todo mundo já sabe, eles se apaixonam e blábláblá.

Não recomendo não, me deu mais dor de cabeça do que prazer. Parecia uma novela mexicana do pior tipo.

sábado, 1 de novembro de 2014

Review "Until You #1.5" - Penelope Douglas

Until You (Fall Away, #1.5)Until You by Penelope Douglas
My rating: 3 of 5 stars

Pra mim não passou de três estrelas não.

Achei o Jared ainda mais inconsequente e impulsivo nesse livro, e muitas coisas do primeiro livro ficaram melhor com a explicação do ponto de vista dele. Mas ainda preferi a história contada pelo ponto de vista da Tate.

A autora disse que esse livro pode ser lido como um standalone, e realmente pode, mas ela faz muitas referências a coisas que aconteceram no primeiro livro não explicando nada a respeito para o leitor. Ou seja, para entender tudinho, talvez seja melhor ler o primeiro livro antes.

Por outro lado, talvez seja melhor não ler o outro antes. Eu li o outro, e quando li esse, muitas vezes me via entediada por estar lendo algo que eu já esperava que fosse acontecer. Mas isso é o preço a se pagar ao ler a mesma história contada pelo foco de outro personagem.

No geral é um bom livro.