quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Review Sweet Filthy Boy (Wild Seasons #1) - Christina Lauren

My rating: 1 of 5 stars

Livro muito chato. Não consegui gostar de nenhum personagem. Achei que a trama propôs muitos assuntos e, no final, não soube executar nenhum deles apropriadamente. Tudo se resumia em sexo, sexo e sexo. Sem diálogos construtivos. Sem amizades marcantes. Sem resolução familiar decente. E nem o casal teve uma resolução concreta.

Então...
Mia acabou de se formar e foi comemorar com suas amigas em Las Vegas. Ela foi pra lá justamente para fugir de seus problemas que são: seu pai e sua carreira. Ela amava dançar e queria que isso fosse sua carreira, mas depois de um acidente que machucou sua perna, ela nunca mais pode seguir seus sonhos. (Sério? Sonho de dançar, acidente de carro, perna machucada, fim do sonho... Aff, nada novo...)

Assim, ela perdeu seu sonho e passou a seguir o sonho de seu pai, na carreia de negócios. Coisa que ela não gostava, mas acabou aceitando e resolvendo fazer sua vida em Boston, longe de sua família por causa de tantos ressentimentos.

Voltando para Vegas...
Ela e mais duas amigas estão lá para comemorar e no meio da curtição, os olhos de Mia se cruzam com os de um homem muito bonito. Encaradas e mais encaradas, fica só nisso.

Acontece que esse par de olhos pertence, na verdade, ao vizinho de quarto de Mia, no hotel, e ela acaba indo até o quarto dele para pedir que ele diminua o volume do som, que está atrapalhando o sono da donzela...

Ela descobre que o nome dele é Ansel e que ele é francês. De cara rola uma química absurda. (eu não senti. Achei o Ansel um bobo, do tipo universitário babaca, sendo que ele não é mais nenhum universitário e sim um marmanjo velho...) Eles conversam e fica nisso.

Na noite seguinte eles se reencontram, bebem, bebem e bebem. Na manhã seguinte, Mia descobre que eles fizeram sexo e se casaram...

E eles não anulam o casamento. Para fugir de seus problemas (seu pai e sua carreira), Mia aceita ir para a França com Ansel, até suas aulas voltarem.

E assim começa a vida de casados deles, que se resume a sexo.

E nessa equação toda do problema que eles criaram (Vegas, casamento, não anulação, França...) ainda há uma outra pessoa: Perry.

Eu não vou falar muito sobre esse tópico para evitar spoiler, mas é bem óbvio, desde o início, quem Perry é. Então, não há nenhuma surpresa nesse departamento. Apenas tédio diante de tanta baboseira.

Não gostei do Ansel. Não gostei da Mia. Não gostei da história. A surrealidade dos eventos não foi sanada com uma boa dose de diálogos inteligentes e personagens cativantes. Uma pena que eu perdi meu tempo lendo isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário